Caiana Revista académica de investigación en Arte y cultura visual

Caiana Nro3

Jorge Sidney Jr Coli


Pedro Américo, Victor Meirelles, entre o passado e o presente

O triunfo da modernidade que se impôs no correr dos últimos cem anos venceu os chamados “acadêmicos”, tão intransigentes em seus critérios, para impor um semelhante autoritarismo, eliminando tudo aquilo que parecia diverso dela própria. Era, então, impossível amar essas artes condena­das, e até mesmo se aproximar delas se tornou tarefa difícil. Porém, ao desdém com que, há alguns anos, os qua­dros ditos acadêmicos eram ignorados, seguiu-se uma atenção carinhosa e interessada. Vários estudos se suce­deram nos anos de 1970 e 1980, abrindo espaço para uma reflexão mais séria. Contudo, com os critérios formais e seletivos que educaram gerações mostrando-se insuficientes para uma compreensão larga dos fenômenos artísticos e cul­turais do século XIX, é indispensável proceder a uma ampliação na inteligência do olhar contemporâneo. É preciso colocar de lado as noções e interrogar as obras, embora este seja o caminho mais difícil. Assim, ao invés de buscar classificar as obras de Victor Meirelles ou Pedro Américo como clássicas, românticas, ou pré-modernas –o que nos coloca em parâmetros seguros e confortáveis, mas profundamente limitados– é preferível tomar esses quadros como projetos complexos, com exigências especificas muitas vezes inesperadas.



Palabras Claves: Modernidade, Pintura acadêmica, Pintura de História, Pedro Americo, Victor Meirelles

Ver artículo completo


ver número